CEO da Chevron quer que Biden não demonize as petrolíferas – Energia

O CEO da Chevron respondeu na terça-feira às críticas do presidente dos EUA, a quem sugeriu que colaborasse com as petrolíferas, em vez de as “demonizar”, face à sua insistência para que aumentem a produção e baixem os preços.

Na semana passada, Joe Biden enviou cartas aos dirigentes das sete maiores petrolíferas, a quem reclamou ações “imediatas”, em contexto de subida de preços histórica, que contribuiu para a inflação geral, e convidou-os para uma reunião para discutir o assunto.

O presidente norte-americano criticou as margens de lucros das petrolíferas e acusou mesmo a ExxonMobil, a maior dos EUA, de não usar os terrenos que tem alugados para produzir energia, como objetivo de manter a produção baixa e, por arrasto, os preços altos.

Na terça-feira, o administrador-delegado da Chevron, Mike Wirth, contestou as declarações de Biden, atribuindo o encarecimento dos combustíveis a um desequilíbrio de mercado “agravado pela invasão russa da Ucrânia”, criticando-o por geralmente “criticar, e às vezes demonizar” o seu setor.

“Quero esclarecer que a Chevron compartilha as suas preocupações com os pecos elevados que os estado-unidenses estão a viver”, disse Wirth, contrapondo que a sua empresa tinha aumentado os gastos de capital (investimentos) este ano.

Convidou ainda Biden a “mudar de foco” e dar mais “clareza e consistência” na regulação dos alugueres e autorizações sobre as terras federais necessárias para a exploração petrolífera.

Solicitado a comentar a resposta do dirigente da Chevron, Biden considerou que o administrador-delegado “é algo suscetível”.

Em declarações à imprensa na Casa Branca, Biden disse: “Não sabia que os seus sentimentos iam ficar feridos tão depressa. Nós precisamos de mais capacidade de refinação. Essa ideia de que não têm petróleo para perfurar e extrair está errada”.

A carta da Chevron segue a linha da que a ExxonMobil enviara a Biden há dias, na qual a maior petrolífera do país reclamou do governo outras políticas de arrendamento, regulação para as infraestruturas e, a curto prazo, medidas de apoio de emergência.





Source link

Deixe o seu comentário


O seu endereço de email não será publicado.