Chile: a um mês do referendo, texto da nova Constituição é vendido ‘como água’ | Mundo


No Chile, o texto da nova Constituição já vendeu dezenas de milhares de exemplares, como nunca visto. A pouco mais de um mês do referendo “a favor de” ou “contra” a nova Constituição, muitos chilenos buscam o “livrinho azul” e seus 388 artigos legais. Com isso, as editoras reimprimem o texto às centenas, para a alegria dos vendedores ambulantes.

Em uma rua só para pedestres no centro da capital, Manuel oferece a nova Constituição por um preço equivalente a uns R$ 10. Ele vende entre 80 e 100 exemplares por dia. “É um bom negócio, muito lucrativo”, ele comenta. “Ainda que possam baixar o texto gratuitamente online, os chilenos parecem preferir ter a versão impressa, para fazer anotações, sublinhar trechos ou simplesmente poder ler novamente.”

Em um pequeno intervalo de cinco minutos, quatro pessoas param para comprar a publicação. “A informação na mídia não foi clara. Quero ler a nova Constituição para entender melhor, compartilhar o conteúdo com minha família e ir votar bem informada”, explica a compradora Iris.

Manifestantes feministas demonstram apoio ao novo texto para a Constituição — Foto: Ivan Alvarado/REUTERS

Já Felipe vem de uma cidade rural no sul de Santiago. “Lá, a nova Constituição não está sendo vendida, então meus amigos me pedem para comprar para eles quando vier aqui e eu entrego a eles depois”, ele conta.

Em apenas um mês, a editora LOM vendeu 70 mil exemplares da nova Constituição. “Nesta fortíssima campanha de direita contra a convenção, eles usaram quase todos os meios [pela não aprovação novo texto constitucional], e, entre estes meios, infelizmente, a publicação de textos falsos. Por isso mesmo, [no momento de adquirir ou consultar um exemplar] é importante que as pessoas se certifiquem de que é o verdadeiro”, explica Paulo Slachevsky, diretor da LOM.

Para lutar contra esses textos falsos, o governo chileno agora vem distribuindo gratuitamente a versão oficial da nova Constituição.

O presidente do Chile, Gabriel Boric (ao centro), exibe a versão final da nova constituição do país junto com os membros da Constituinte, María Elisa Quinteros e Gaspar Domínguez, em Santiago — Foto: Luis Hidalgo / AP Photo

No referendo, os chilenos irão decidir se querem substituir a atual constituição vigente, que foi promulgada pelo ditador Augusto Pinochet, em 1980. A votação está prevista para o domingo 4 de setembro, e será o primeiro processo com voto obrigatório desde que se estabeleceu no país o voto voluntário, em 2012.

De acordo com uma pesquisa da consultoria Cadem, realizada na última quinzena de junho, 47% dos possíveis votantes acreditam que o “rechaço” ganhará o plebiscito de saída, enquanto que 44% disseram que o “aprovo” será o resultado da votação. Desde abril, as pesquisas de intenção de voto têm mostrado vantagem da opção de rejeição da nova constituição.



Source link

Deixe o seu comentário


O seu endereço de email não será publicado.